Logo Sempre Bem
Ícone de busca
Ícone do ecommerce
Ícone de busca

Saiba os efeitos do estresse na pele

Por Ladinne Campi

Sabia que a pele reflete muito bem a nossa saúde física e emocional? É isso mesmo! O desequilíbrio hormonal, o estresse e até a ansiedade costumam dar sinais em forma de dermatites e acnes, causando problemas de pele. Saiba o que fazer nesta matéria do programa Pague Menos Sempre Bem!

Causadores dos problemas de pele

Sentir os efeitos do estresse e da ansiedade na pele é possível e muito comum. O emocional responde por 30% dos problemas de pele.

Segundo a psicóloga Jamile Façanha, mente e corpo estão na mesma instância. "Hoje, a gente entende que são fatores biopsicossociais. Então, tem o psicológico, o biológico e as questões relacionais, sociais e ambientais. Tudo isso junto faz com que a gente desencadeie sintomas. Uma das áreas em que a gente pode observar o impacto do estresse e das questões emocionais são as doenças de pele."

Há 15 anos, o arquiteto Emerson Martins sofre com a psoríase por conta dos picos de estresse ansiedade. Durante a adolescência, a tensão gerada nos períodos de prova e entrega de trabalhos resultava no aumento do número de lesões. A dermatologista Kaline Ferraz explica que o emocional piora o quadro e retarda o tratamento.

Os efeitos do estresse na pele

Outra doença muito comum é o melasma. As manchas acastanhadas que normalmente surgem no rosto, tem forte influência por questões hormonais e exposição ao sol, mas também com o estresse psicológico.

Já a dermatite - principalmente a dermatite seborreica - trata-se de uma descamação fina da pele, vermelhidão e coceira de regiões próximas ao nariz, em cima da sobrancelha, canto da boca, atrás da orelha e couro cabeludo.

Ainda segundo a dermatologista, outra doença comum entre mulheres e homens é a rosácea. Trata-se de uma hiper-reatividade da pele do rosto.

Mudanças do humor também alteram quadros de acne, doença comum durante a adolescência, mas que também pode ser frequente em mulheres adultas, devido à forte relação hormonal e psicológica.

A maquiadora Lilian Moura sentiu na pele o desconforto da acne. "Eu deixava de sair e usava franja para cobrir a testa, mas sentia que a acne piorava ainda mais."

Emerson também sente o impacto na autoestima. Para ele, diferente das mulheres, não pode usar o recurso da maquiagem para disfarçar as manchas na pele. "Uma vez, pedi ajuda a uma colega maquiadora e irritou ainda mais a minha pele. Precisei desmarcar um compromisso. Muitas vezes, deixei de ter uma vida social por conta desse problema", lamenta.

De acordo com a psicóloga, as questões dermatológicas trazem um certo estigma. Os prejuízos podem atrapalhar o desempenho profissional, minar as relações interpessoais e até os relacionamentos. "A pessoa vai começando a criar uma rede de problemas emocionais ao redor daquele primeiro problema."

Para Kaline, muitas dessas doenças são responsáveis pelas alterações psicológicas. Por isso, o tratamento envolve dermatologista, endocrinologista, psicólogo e, em alguns casos, psiquiatra. Jamile conclui: "Precisamos trabalhar estratégias de fortalecimento da imagem pessoal para que o paciente entenda que existem outros mecanismos de defesa para lidar com essa situação."

Fonte:

Jamile Façanha - Psicóloga

Kaline Ferraz - Dermatologista

Você pode gostar

Como cuidar do cabelo ondulado? Dicas para seus fios naturais
Beleza

Como cuidar do cabelo ondulado? Dicas para seus fios naturais

Tumor no cérebro: conheça sintomas, tipos e tratamentos
Saúde

Tumor no cérebro: conheça sintomas, tipos e tratamentos