Logo Sempre Bem
Ícone de busca
Ícone do ecommerce
Ícone de busca

Dores Articulares: entenda as causas

A população brasileira é a 2ª mais estressada do mundo. Tensão, ansiedade e até mesmo depressão são consequências da vida corrida e do excesso de informações e estímulos. Mas não para por aí. As emoções negativas também podem provocar dores musculares e articulares. Confira!

Dor

As dores se dividem em agudas - que surgem subitamente, são de forte intensidade e duram poucos dias - e crônicas, dores de longa duração, geralmente acima de 30 dias. Os fatores que causam a dor são diversos, desde quedas, desgastes e até tensão. 

A população brasileira é a segunda mais estressada do mundo. Tensão, ansiedade e até mesmo depressão são consequências da vida corrida e do excesso de informações e estímulos, mas não para por aí. As emoções negativas também podem provocar dores musculares e articulares.

Ansiedade x Dor

Para o ortopedista Rodrigo Astolfi, “a nossa sociedade atual é ansiosa. Talvez nós, latino-americanos, sejamos até mais ansiosos que os europeus, por exemplo. Existem vários estudos que mostram isso. Essa ansiedade atua diretamente em como o cérebro interpreta todos os fatores do cotidiano, inclusive a dor”.

Uma das principais causas de dor é a própria ansiedade, que as pessoas nomeiam de fibromialgia que é uma manifestação corpórea de ansiedade e depressão no espectro da doença.

Fibromialgia

O grupo mais suscetível à fibromialgia são mulheres entre 40 e 65/70 anos, um pouco antes e pouco depois da menopausa. De acordo com o especialista, o nosso sistema cerebral por onde passam as informações da dor é o sistema talâmico. Ele é controlado pelo sistema límbico, que é o sistema das emoções.

Talvez de todas as dores, as do pescoço, da coluna lombar, das costas e a do calcanhar são as mais comuns. Essas dores incomodam bastante quando se está emocionalmente abalado ou com algum problema e irritação.

 “As dores da fibromialgia são bastante específicas porque elas andam pelo corpo todo. Às vezes, você está com dor nas pernas e quando vai andar, a sola do pé parece que está em carne viva, e a dor da perna sumiu. Mais na frente, a dor vai para os glúteos, por exemplo… e assim vai”, conta a aposentada Angela Cardoso.

Prevenção

A qualidade de vida é a maior aliada para prevenir e controlar esses problemas. Manter um estilo de vida saudável com a prática regular de exercícios físicos, uma alimentação balanceada e atividades que deem prazer são a chave para viver mais e melhor.

Segundo o ortopedista, sempre que se faz uma atividade física, há a liberação de endorfina, que é o hormônio do prazer. Ele diminui os limiares de percepção da dor pelo cérebro. É como se o órgão ficasse menos sensível ao que está doendo.

Tratamento 

O educador físico e o psicólogo são os principais profissionais no tratamento das dores diretamente relacionadas à ansiedade. “Comecei a sentir necessidade de um psiquiatra ou de um médico que pudesse me tranquilizar, principalmente, quando eu ficava irritada com as dores”, comenta a aposentada. 

 A dor fica mais suave à medida que você vai se sentindo bem, por isso, é importante aliar exercícios físicos com a alimentação. “Vitamina B e D, e selênio são algumas substâncias importantes relacionadas ao tratamento do estresse e da dor”, recomenda o especialista.

É muito importante entender que tudo na vida está relacionado à alimentação, ao ambiente de trabalho e familiar são pequenas coisas que se somam para você ter uma vida com muita ou pouca dor. 

Angela Cardoso concorda: “Esse impacto que as dores me causavam e hoje não me causam mais são o resultado de exercício físico, alimentação e saber lidar com o emocional”, fala.

Assuntos relacionados

Matéria originalmente veiculada no programa de 22 de setembro de 2019.

Você pode gostar

Como cuidar do cabelo ondulado? Dicas para seus fios naturais
Beleza

Como cuidar do cabelo ondulado? Dicas para seus fios naturais

Tumor no cérebro: conheça sintomas, tipos e tratamentos
Saúde

Tumor no cérebro: conheça sintomas, tipos e tratamentos