Logo Sempre Bem
Ícone de busca
Ícone do ecommerce
Ícone de busca

Por que é importante consumir ácido fólico na gestação?

O ácido fólico auxilia na prevenção de malformações neurológicas do bebê, ao mesmo tempo em que cuida da saúde da gestante. Confira como e quando usar.

Tempo estimado: 7 min

Facebook
Twitter
WhatsApp
Por que é importante consumir ácido fólico na gestação?

A gravidez é um momento de muitas transformações no organismo da futura mamãe. Para dar conta da evolução saudável do feto, uma alimentação regrada é essencial.

É nesse contexto que entra o ácido fólico, auxiliando na prevenção de malformações neurológicas do bebê e fortalecendo o sistema imunológico da gestante, a fim de evitar problemas de saúde.

Para saber a importância desse nutriente, o Sempre Bem ouviu a nutróloga Tayná Athayde, que é especialista em nutrologia esportiva, metabolismo e maternidade.

Qual a função do ácido fólico no corpo humano? 

Tayná explica que o ácido fólico é uma forma sintética da vitamina B9 (uma das vitaminas do complexo B), sendo um potente antioxidante.

Ele ajuda na síntese e reparação do nosso DNA, na divisão de nossas células, formação de hemácias, produção de proteínas, entre outras coisas. Portanto, esse nutriente é importante para a saúde em todas as fases da vida.

E o que muda com a gestação?

Durante a gravidez, o ácido fólico é fundamental, pois vai auxiliar na formação e no desenvolvimento fetal.

“Na gestação, o folato, como é chamada a vitamina B9 encontrada nos alimentos, é importante para a formação do sistema nervoso do bebê, ajudando no fechamento do tubo neural, uma estrutura embrionária que dará origem ao cérebro e à medula espinhal”, detalha a especialista.

Veja também esse “Fica a Dica” super especial: Como voltar à forma depois da gravidez.

Como funciona a suplementação de ácido fólico?

A suplementação de ácido fólico costuma ser recomendada para gestantes, pois nem sempre é possível quantificar com precisão a ingestão diária de folato. Isso porque a forma de preparar os alimentos pode causar perdas do nutriente.

Além disso, alguns medicamentos também prejudicam a absorção do ácido fólico na gestação.

Quando começar a tomar o ácido fólico?

Diversas pesquisas revelam que o ácido fólico é essencial para a formação do tubo neural do feto. Essa estrutura deve se fechar por volta do 28º dia de gestação, período em que muitas mulheres ainda não sabem que estão grávidas.

Devido a ele [ácido fólico] ser importante também para divisão celular, reparo e síntese de DNA, é necessária a suplementação prévia à gestação, pelo menos 1 mês antes da concepção. Isso ajuda a diminuir inclusive alterações cromossômicas”, destaca Tayná.

Outra coisa para se ter em mente é que a formação dos órgãos do bebê ocorre durante todo o primeiro trimestre. Portanto, o suplemento de ácido fólico na gestação pode ser recomendado nesse período.

Como essa substância ajuda a saúde materna?

Ao ingerir ácido fólico, a futura mamãe cuida da saúde do bebê e dela ao mesmo tempo. E o motivo é porque esse nutriente é essencial à qualidade de vida de qualquer pessoa.

Para as mamães, pode ajudar ainda a diminuir a pressão arterial, na produção do hormônio serotonina (hormônio da felicidade), além de fortalecer nosso sistema imunológico”, afirma a especialista.

Para tirar dúvidas sobre os cuidados de beleza nessa fase, leia o artigo: “Beleza na gravidez: como manter-se linda”.

Outro benefício desse nutriente é que ele pode prevenir a anemia, uma vez que atua na renovação de glóbulos vermelhos do sangue.

Quais alimentos contém ácido fólico?

A natureza é rica e costuma fornecer os diversos nutrientes que precisamos por meio da alimentação. O folato é encontrado principalmente nas folhas verde-escuras, leguminosas, além de grãos integrais e cereais.

Dica da nutróloga

A Dra. Tayná Athayde deixou uma lista de alimentos que são ricos em ácido fólico para você não deixar faltar na sua dieta. São eles: 

  • aspargos: o consumo de uma xícara de aspargos cozidos corresponde a 65% da necessidade diária de ácido fólico;
  • brócolis: é excelente também para desintoxicação, mas deve-se evitar cozinhar muito para não perder os nutrientes;
  • beterraba crua: por ser rica em nutrientes, como zinco, potássio, entre outros, ela é ótima também para prevenir anemia;
  • feijões, ervilha e lentilha: uma tigela pequena desses grãos deve ser consumida diariamente;
  • amendoim: é um aliado e tanto na prevenção de alguns tipos de câncer;
  • gérmen de trigo: um dos cereais mais consumidos no mundo, ele é fonte de diversos nutrientes, como ferro, zinco, potássio, cálcio, magnésio, além das vitaminas A, B1, B3, B6, ácido fólico e vitamina E.
  • espinafre, salsinha e couve: são alimentos muito necessários quando se quer dar um up na quantidade de folato no organismo e devem ser consumidos preferencialmente crus;

Além desses alimentos, o consumo regular de arroz e pães integrais, gema de ovo, fígado e peixes também ajuda na manutenção de bons níveis de ácido fólico no organismo.

O que é verdade e o que não é sobre o ácido fólico na gestação? Mitos e verdades!

Apesar de muito importante e de trazer vários benefícios tanto para a mulher e o bebê, o uso de ácido fólico na gestação ainda causa uma série de dúvidas.

Para esclarecer as mais comuns, trouxemos uma lista com mitos e verdades sobre o consumo desse nutriente.

O ácido fólico ajuda a engravidar

Mito! O ácido fólico não ajuda a engravidar. Porém, uma vez que a mulher decide ter filhos, seu consumo antes mesmo da concepção contribui para o desenvolvimento neural do bebê, processo que acontece em uma fase na qual, geralmente, a mulher ainda não descobriu que está grávida.

O ácido fólico pode ser tomado a qualquer tempo e em qualquer dosagem

Mito! Somente o médico pode indicar quando a mulher pode tomar ácido fólico e em qual dosagem. Mas como dito anteriormente, uma vez que decide engravidar, geralmente o profissional já indica a ingestão do nutriente, que deve seguir até a 12º semana de gestação.

O ácido fólico deve permanecer depois da gestação e durante amamentação

Depende! Um dos motivos é que doses elevadas de ácido fólico podem aumentar as chances de desenvolvimento de autismo.

Por outro lado, dependendo do caso, seu uso precisa ser continuado após o parto e durante a lactação. Mas essa definição deve ser feita pelo médico, considerando o estado de saúde da mulher.

Consigo ácido fólico apenas por meio de uma alimentação saudável

Mito! Ainda que o nutriente esteja presente em diversos alimentos, dificilmente apenas com a alimentação na gravidez, ainda que seja balanceada, dará à mulher a dose diária necessária de ácido fólico.

Toda gestante precisa tomar ácido fólico

Verdade, mas com algumas restrições! A recomendação é que toda mulher em idade reprodutiva que deseja engravidar faça uso do ácido fólico pelo período indicado pelo médico. No entanto, essa definição pode depender da dosagem já presente no seu organismo, a qual é avaliada por meio de exames de sangue.

Existem diferentes dosagens de ácido fólico para gestantes

Verdade! A dosagem indicada pelo médico pode variar de acordo com o resultado dos exames da gestante, do seu estilo de vida, alimentação, genética, histórico de saúde, entre outros pontos.

Ácido fólico engorda

Mito! O ácido fólico não engorda porque o organismo elimina, através da urina, o seu excesso, ou seja, o que o corpo não absorve.

Não se pode esquecer de tomar nenhum dia

Depende! Se o esquecimento for de curto tempo, por exemplo, um dia, a gestante pode voltar a tomar o ácido fólico sem problemas. Porém, no caso de intervalos longos, o mais indicado é procurar o médico para verificar os níveis do nutriente no organismo.

Tem muitas contraindicações

Mito! De modo geral o ácido fólico é bem aceito pelo organismo e apresenta baixa incidência de efeitos colaterais.

Quando surgem, são pontuais e estão relacionados a distúrbios gastrointestinais como flatulência e náuseas, ou mesmo reações alérgicas cutâneas.

É preciso considerar a idade da mulher

Não necessariamente! No que se refere à capacidade do corpo absorver o nutriente, a idade da mulher não interfere. O que é considerado é o aumento dos riscos naquelas que engravidam tardiamente, por exemplo, após os 35 anos.

Deve ser usado na primeira e na segunda gestação

Verdade! Como o ácido fólico ajuda a prevenir a má-formação do bebê, deve ser usado em todas as gestações, exceto se houver alguma restrição específica.

Precisa de mais orientações sobre o ácido fólico na gestação ou tem outras dúvidas relacionadas ao cuidado com a sua saúde? Então visite o Clinic Farma, consultório farmacêutico da Pague Menos!